Notícias

Governo do estado é ‘mentiroso’, diz Pietro

16 de setembro de 2015
governo-do-estado

Segundo vereador, administração estadual ‘está enganando o povo de Ponta Grossa’

“Nós temos que voltar a cuidar das UTIs [pediátricas] porque eu não confio nesse governo estadual do Paraná, que é o pior governo da história do nosso estado. Um governo mentiroso, […] que está enganando o povo de Ponta Grossa”, afirmou o vereador Pietro Arnaud (PTB), vice-presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa, durante a comunicação parlamentar da sessão ordinária de 16 de setembro. “Disseram que em 15 dias ia ter novos leitos e, até agora, não estão lá os leitos de UTI [Unidade Terapia Intensiva] no Hospital Universitário [Regional dos Campos Gerais]”, continuou.

Pietro referia-se à situação da menina Valentina Renata Rocha, de três meses de idade, filha de Evelyn Santos da Rocha. Segundo informações, ela estava internada desde o último dia 9 no Hospital da Criança e foi transferida para uma vaga de UTI de isolamento no Hospital Regional, mas não resistiu à doença. “Foi, sem sombra de dúvida, notícia estadual e nacional e, lamentavelmente, negativa, porque nós perdemos essa menina”, disse o vereador, que, na sequência, repudiou, “de forma categórica”, informação dada pelo secretário municipal de Governo, Marcus Vinícius Freitas dos Santos, de que não foi a falta de leitos de UTI que fez com que Valentina falecesse. “Ele [Marcus Vinícius] disse, conforme o que lemos no jornal – e estamos à disposição, caso haja uma informação diferente – que a criança tinha um problema raro […] e que um leito ela tinha”, afirmou Pietro.

 

‘Bola de cristal’

Pietro disse que, a partir da notícia da falta de leito de UTI, diversas lideranças mobilizaram-se buscando alternativas para sanar o problema – como, por exemplo, o deputado federal Sandro Alex (PPS) e o prefeito Marcelo Rangel (PPS). “Estava todo mundo correndo atrás de leito para as crianças. Daí, veio secretário Marcus, que talvez não conversa com o deputado e nem com o prefeito, e diz que não foi falta de leito de UTI. Então, eu gostaria de saber que bola de cristal ele tem que possa garantir que se essa criança, um dia e meio antes, não tivesse tido leito, não estaria entre nós”, afirmou.