Notícias

Mudança em lei valoriza terreno de construtora em R$ 28 mi

3 de julho de 2020
02_post_pietro_arnaud_-campanha-2020-1

Pietro aponta que mudança em lei proposta por Rangel valorizou à área da empresa Tocantins em R$ 28 milhões.

As mudanças realizadas no zoneamento no entorno do Aeroporto Sant’ Ana através da lei municipal 13.726/20, proposta pelo Prefeito Marcelo Rangel (PSDB) e aprovada pela Câmara, proporcionaram uma valorização imobiliária da área no valor de R$ 28 milhões de reais, nos imóveis de propriedade da empresa Tocantins Administradora de Bens.

Os imóveis então matriculados sob os números 32.118 e 34.249 (ex 2º R.I) e possuem área total de 824.872 m² e seu valor de mercado, enquanto Zona Industrial (ZI), eram de R$ 32.994.900,00 mi.

Agora, com a mudança de zoneamento proposta por Rangel, para Zona Residencial 2 (ZR2), o imóvel passou a valer R$ 61.865.437,50 milhões de reais, recebendo uma valorização imobiliária de R$ 28 milhões de reais (acréscimo de R$ 20,00 reais o )

 

Avaliação é feita por profissional habilitado em Conselho Regional e Federal

Pietro esclarece que o Parecer Técnico de  Avaliação Mercadológica  foi emitido por  Corretor e Avaliador de Imóveis devidamente habilitado junto a órgãos estaduais e federais, e que as avaliações atendem a Caixa Econômica Federal, Ministério Público Estadual e Federal, TJ-PR e Justiça Federal, para os quais emite pareceres técnicos, estando devidamente cadastrado junto ao Conselho Regional (CRECI-PR) e Federal (COFECI) de Corretores de Imóveis.

Pietro esclarece que a avaliação foi feita por Corretor e Avaliador de Imóveis devidamente habilitado junto a órgãos estaduais e federais, como Caixa Econômica Federal, Ministério Público Estadual e Federal, TJ-PR e Justiça Federal, para os quais emite pareceres técnicos, estando devidamente cadastrado junto ao Conselho Regional (CRECI-PR) e Federal (COFECI) de Corretores de Imóveis.

Segundo o parecer recebido por Pietro, onde foi aplicado um fator de desvalorização (50 metros de área do leito do arroio e presença de linha férrea na proximidade), o valor de R$ 32.994,900,00 mi leva em consideração o valor de R$ 40,00 o metro quadrado em área industrial (ZI) na parte interna do distrito industrial, enquanto o valor de R$ 61.865.437,50 mi leva em consideração o valor de R$ 75,00 o metro quadrado em área em Zona Residencial 2 (ZR2), conforme alteração proposta por Marcelo Rangel e aprovada pela Câmara.

No parecer, a título de comparação, o profissional aponta que um imóvel na área industrial com testada na rodovia parte frontal do Distrito (ZI) Industrial, custa hoje R$ 150,00 o metro quadrado, o que se fosse aplicado no terreno da Tocantins elevaria o valor da área para R$ 123.730.875,00 mi.

Em outra comparação, o parecerista registra que se o zoneamento tivesse transformado a mesma área para Zona Residencial 1, o que não é o caso, o imóvel valeria R$ 55,00 o metro quadrado, totalizando R$ 45.367.875 mi.

 

Rangel anuncia licitação de ampliação do Aeroporto e diz que vai proteger Distrito Industrial

Nesta sexta-feira (03), o prefeito Marcel Rangel (PSDB) anunciou ampliação do Aeroporto Sant’Ana, no valor R$ 35 mi, e o encaminhamento de dois projetos de lei à Câmara, que supostamente visariam proteger o aeroporto e o distrito industrial de novas alterações de zoneamento, impedindo a construção de residências nas proximidades da pista, entretanto, Rangel nega-se a revogar a lei 13.726/20, aprovada sem audiência pública, que megavalorizou o terreno da empresa Tocantins Administradora de Bens, em mais de R$ 28 milhões de reais.

#pietroarnaud #fiscalização #estamosdeolho

02_post_pietro_arnaud_-campanha-2020-1

Leia mais notícias sobre o tema>

 

Pietro diz que loteamento no Cará-Cará, em área que teve zoneamento alterado, foi negado no passado, por falta de licenças ambientais e que alteração é nula

Pietro entra com ação popular para impedir construções residenciais em área industrial

Pietro diz que loteamento no Cará-Cará pode prejudicar abastecimento da região e confirma “sumiço” de processo.

Mudança em lei valoriza terreno de construtora em R$ 28 mi